Equipe que vai criar Museu da Cidade visita restauro

0
791

Uma equipe da empresa que venceu a licitação aberta pelo Sesc para a criação do Museu da Cidade, que vai funcionar na antiga Casa de Câmara e Cadeia, esteve visitando as obras de restauração para conhecer melhor os espaços e a estrutura predial, de modo a elaborar o projeto expográfico e museográfico. A Expomus, que tem sede em São Paulo, atua desde 1981 em projetos de natureza museológica no âmbito social, cultural, científico, tecnológico e do meio ambiente.

As obras de restauração da Casa de Câmara e Cadeia tem previsão de conclusão em julho, ficando apenas a parte do seu anexo para ter continuidade na execução. Em paralelo a este processo o Serviço Social do Comércio (Sesc), que foi contemplado como vencedor do edital lançado pela Prefeitura para implantar o museu no local, realizou a licitação para a contratação da empresa que dará seguimento ao planejamento do museu.

Carolina Vasconcelos Vilas Boas, coordenadora dos projetos de natureza museológica e socioeducacional da Expomus, destacou que eles vão trabalhar em cima de um projeto preliminar já existente, apresentado pela empresa durante a fase de licitação, da qual foram vencedores.

“Nossa ideia é aproveitar o edifício e trabalhar com uma museografia e uma expografia respeitosa com a arquitetura do prédio, trabalhar os temas que a gente entendeu como fundamentais para a história da cidade, como os mitos fundadores, a relação com o presente e futuro. Além da forte relação arqueológica que a cidade tem com as sociedades sambaquieiras, trazer a multivocalidade dos vários personagens que compõem a história de Florianópolis com uma sala de depoimentos Que o museu se encerre, ao menos na sua exposição de longa duração, com uma visão de futuro, contando com um fórum para tratar de questões relacionadas à cidade”, frisou.

Durante a visita à Casa de Câmara e Cadeia, a equipe foi guiada pela arquiteta Fernanda Baracat Lapo, da Concrejato, empresa responsável pela obra de restauração. Ela mostrou à equipe da Expomus um batente original da Casa, que poderá ser uma das peças usadas na exposição junto a outros achados arqueológicos, como os canhões encontrados na parte em que será construído o anexo.

O pessoal que veio à cidade conferir os trabalhos de restauro deverá, ainda, visitar o local em que estão estas peças encontradas – e que poderão ser utilizadas no museu – além de realizar contato com historiadores e pesquisadores da cidade, para aperfeiçoar o mapeamento de acervo. Segundo o Sesc e a coordenadora da Expomus, esta etapa de construção do projeto excutivo leva até seis meses para ser concluída.

Casa de Câmara e Cadeia

 A Casa de Câmara e Cadeia é uma das três edificações mais antigas da cidade. Localizada junto à Praça XV, no Centro, foi construída entre 1771 e 1780. Em seu piso inferior, funcionava a cadeia e no superior, a Assembleia Legislativa Provincial. A cadeia foi desativada em 1930, com a inauguração da penitenciária na Agronômica.

Comentários

Comentários